Ipameri

Opinião pública nos bastidores da política mostra Ludmila Cozac como favorita

Ludmila-Cozac-6-e1573924083361

A pré candidata a prefeita de Ipameri Ludmila Cozac foi destaque em matéria no Jornal Opção desta semana. Reproduzo a matéria:

Ludmila Cozac (MDB), de 52 anos, pretende disputar a Prefeitura de Ipameri. A cidade é uma das mais emblemáticas do Sudeste do país (de lá, por exemplo, saíram soldados de Goiás para lutar na Segunda Guerra Mundial, na primeira metade da década de 1940). Em 2016, há quase três anos, ela perdeu a eleição para a prefeita Daniela Vaz Carneiro, do PSDB.

Inquirida se vai mesmo disputar, Ludmila Cozac responde, rápido: “Sou firme, estou firme e vou disputar a prefeitura. Anote: as pesquisas indicam que sou a favorita. Sinto que há, neste momento, uma sintonia fina entre os eleitores e eu. Eles me consideram simpática e, sobretudo, acredito que posso contribuir para transformar suas vidas”. De cara, frisa: “Vou disputar a prefeitura, insisto, e não aceito ser candidata a vice”.

Por qual motivo a sra. lidera as pesquisas? “Não estou chegando agora e não faço promessas vãs. Tenho um diferencial: serviço prestado e comprovado à comunidade. Fui vereadora, presidente da Câmara. Construí creches em Ipameri e no distrito de Domiciano Ribeiro. Na época que fui vice-prefeita, contribuí para colocar asfalto em Domiciano Ribeiro. Eu era secretária da Saúde e de Assistência Social. Fiz um trabalho que até hoje é lembrado pelos moradores de Ipameri. Por exemplo, abrimos dois novos postos de saúde. Demos amplo apoio aos idosos e aos jovens. A rede de proteção social que criamos não existia em Ipameri. O Capes, com serviço de neurologia e psicologia, atendia muito bem. Para aumentar a renda das famílias, criamos a Feirinha, realizada na quinta-feira. É uma feira de alimentação”, assinala Ludmila Cozac.

Ludmila Cozac: “O importante não é ter poderio econômico, mas sim atender bem e respeitar a sociedade” | Foto: Divulgação

Se for eleita, Ludmila Cozac diz que vai focar mais na melhoria da qualidade de vida das pessoas. “Vamos construir casas populares e ampliar o atendimento nas áreas de saúde e no social.”

Como avalia a gestão da prefeita Daniela Vaz Carneiro? “A gestão da prefeita é boa. A melhor administração dos últimos tempos.”

Há a possibilidade de uma aliança entre o MDB e o PSDB na cidade? “Há, sim. Há uma conversação a respeito. A possibilidade de composição é grande. Eu gostaria de obter o apoio da prefeita Daniela”, diz Ludmila Cozac. De fato, em várias cidades, as cúpulas do MDB e do PSDB estão recomendando alianças para enfrentar o poderio dos candidatos bancados pelo governo do Estado. A orientação é para que não se faça união com candidatos apoiados pelo governador Ronaldo Caiado.

Um candidato precisa ter aliados fortes. A sra. tem? “Sim, tenho vários aliados, mas acrescento que uma campanha se faz com todos os aliados, não apenas com os fortes. Mas, de fato, tenho aliados fortes — e o principal é o povo. Os vereadores Douglas Troncha (PDT) e Marcelo Godói, presidente da Câmara, me apoiam. Tenho o apoio dos ex-vereadores Delci Elias e Zélia Jacob. O presidente do Sindicato Rural, Plínio Machado, e o ex-presidente, Eduardo Machado, me apoiam. Há vários outros aliados que, no momento, não devo nominar.”

Ludmila Cozac e Diego Sorgatto: o deputado estadual do PSDB é um de seus principais aliados políticos | Foto: Divulgação

Mas há a história de que o vereador Jânio Pacheco pode ser candidato com o apoio da prefeita Daniela Vaz Carneiro. “O que posso dizer é que Janinho representa o grupo do governador Ronaldo Caiado na cidade e a prefeita mantém forte ligação com o ex-governador Marconi Perillo, do PSDB. Daniela é uma política série e, por isso, partidária. Portanto, a possibilidade de composição com Janinho não parece factível. Nós estamos torcendo para que a prefeita e seu grupo político apoiem minha candidatura.”

Procede que Jânio Pacheco pode ser seu vice? “Não há como rejeitar uma composição com Janinho, pessoa pela qual nutro simpatia. Mas ele diz que é pré-candidato. Sua pré-candidatura é articulada pelo prefeito de Catalão, Adib Elias. Sabe-se que a intervenção de um político de outra cidade, como Adib Elias, não é bem-vista pelos eleitores de Ipameri.”

Com forte presença em Domiciano Ribeiro, Ludmila Cozar enfrenta um problema: o pré-candidado do DEM, Bartô Honório Nascimento, instalou uma unidade de seu supermercado no distrito, o que elevou seu prestígio na região. “Sim, Bartô colocou um empreendimento no distrito. Tenho uma fazenda que fica próxima de Domiciano Ribeiro e mantenho uma relação fraternal com seus moradores. A velha política, na qual Bartô é mestre, não é compartilhada por mim e, acredito, pela maioria das pessoas. O povo é inteligente e sabe quais políticos querem ser eleitos para representá-lo de fato. Vale sublinhar que, na eleição de 2016, eu fiquei em segundo lugar e Bartô em terceiro. Daniela foi a mais bem votada, porque, além do controle da máquina, tinha o apoio do então governador Marconi Perillo.”

A maioria dos integrantes da Associação dos Produtores de Domiciano Ribeiro, segundo Ludmila Cozac, apoia sua candidatura. “Apoiei Diego Sorgatto para deputado estadual e ele obteve mais de 3 mil votos. Diego apoia minha candidatura.” Ouvido pelo Jornal Opção, o deputado Diego Sorgatto (PSDB) disse: “Ludmila Cozac é uma força da natureza e lidera as pesquisas. Mais: seu voto é um voto consolidado. Anote: ela vai ser a próxima prefeita de Ipameri”.

Ludmila Cozac tem falado com o presidente do MDB regional, Daniel Vilela. “Nós vamos construir, a partir de 2020, uma base ampliada para fortalecer uma possível candidatura de Daniel Vilela a governador em 2022. Nós vamos ter um evento em Orizona, no dia 23, com a presença de Daniel Vilela.”

Há quem aposte que a ex-deputada Lamis Cosac será candidata a prefeita de Ipameri. “Conversei com Lamis e ela me disse que não deve disputar. Quando pedi seu apoio, a Lamis, que foi prefeita da cidade, me disse: ‘Sempre estive com você’”.

Fonte Jornal Opção

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar