O tempo passou e nos formamos em solidão

Sou do tempo em que ainda se faziam visitas. Ninguém avisava nada… o costume era chegar de paraquedas mesmo. E as pessoas recebiam alegres a visita.

Quando saíamos, os donos da casa ficavam no portão até que virássemos a esquina. E ainda nos acenávamos.

E voltávamos para casa, caminhada muitas vezes longa, sem carro, mas com o coração aquecido pela visita.

O tempo passou e nos formamos em solidão.

Temos bons professores: televisão, netflix, internet, redes sociais, Whatsapp…

Cada um na sua e ninguém na de ninguém.

Não se recebe mais em casa.

Agora a gente combina encontros com os amigos fora de casa: ninguém quer entrar mais.

Assim, as casas vão se transformando em túmulos, que escondem mortos anônimos e possibilidades enterradas. Cemitério urbano, onde perambulam zumbis e fantasmas mais assustados que assustadores. Casas trancadas.

Pra que abrir? O ladrão pode entrar e roubar a lembrança do café, dos pães, do bolo, das broas, dos biscoitos… Ai que saudade das visitas da minha infância!!!

Compartilhe seu amor
Alan Ribeiro
Alan Ribeiro

Alan inicia seus trabalhos com o único objetivo, trazer a todos informação de qualidade, com opinião de pessoas da mais alta competência em suas áreas de atuação.

Artigos: 15304