Educação Ipameri

Professor de Ipameri é selecionado ao “Nobel da Educação” de 2021

IMG-20210910-WA0294-1

Global Teacher Prize reconhece as contribuições de maior impacto educacional nas escolas e comunidades

O Global Teacher Prize, maior premiação de Educação do mundo e conhecida como “Nobel da Educação”, divulgou a lista dos 50 finalistas da edição 2021. Entre os cinquenta nomes divulgados, apenas um brasileiro foi selecionado: Greiton de Azevedo, 30 anos, professor do IF-Goiano, Campus Avançado de Ipameri (GO).

A proposta do prêmio é reconhecer o professor que realizou a maior contribuição à sua profissão e promover a troca de ideias entre educadores do mundo inteiro. O foco do Teacher Prize são professores e gestores que cumprem carga horária mínima de 10 horas semanais e que tenham trabalhado com alunos com idades entre 5 e 18 anos (o equivalente à Educação Básica no Brasil).

O projeto vencedor recebe US$ 1 milhão (equivalente atualmente a R$ 5,25 milhões), que é pago em parcelas como compromisso de que o docente permaneça em sala de aula nos cinco anos seguintes à premiação e continue contribuindo em sua profissão.

Quem é Greiton de Azevedo

Greiton de Azevedo, do IF-Goiano – Campus Avançado de Ipameri (GO), atualmente tem 30 anos, mas queria ser professor de matemática desde os 13 anos de idade e foi ridicularizado por seus colegas de escola por querer conseguir um emprego mal remunerado e de baixo prestígio no Brasil, onde o país pontua mal em testes internacionais como o PISA, para a disciplina. Mas Greiton tinha a missão de que o homem só mudaria isso, com a contribuição com a educação, matemática e com os alunos que a enfrentam em sala de aula, por considerar essencial para o exercício da cidadania global.

Para fazer a diferença na vida dos alunos, primeiro ele investiu em seu treinamento e, em seguida, em sua pesquisa sobre a combinação criativa de disciplinas científicas e tecnológicas para criar a matemática estudantil adequada ao século XXI. Ele usou sua experiência de ensino de 11 anos para impactar um aprendizado de matemática mais amplo e responsável em milhares de alunos, indo além dos muros da escola.

Por exemplo, em 2014 ele ingressou em uma escola pública municipal carente, marginalizada e em uma área de violência, onde idealizou seu projeto Mattics com alunos. Combinando conhecimentos de matemática, robótica e jogos digitais, as aulas têm a tarefa de criar aplicações que beneficiem a sociedade, como produtos de baixo custo voltados para o tratamento de sintomas de doenças como o Parkinson, dando assim mais sentido e contexto ao estudo da matemática.

Como resultado da evolução deste trabalho, que se expandiu para outras escolas em 2017, e sua crescente popularidade, ele agora vê muitas aulas motivadas pela matemática, com alunos que querem ir à escola para realizar pesquisas científicas e desenvolver tecnologias em benefício de sociedade. Em 2017, o trabalho foi reconhecido como um dos principais projetos de inovação e criatividade em matemática no desafio Creative Learning do MIT nos Estados Unidos.

Sua técnica de ensino em sala de aula projetada para fazer os alunos pensarem matematicamente, de forma criativa e científica, envolve o debate de idéias, pesquisa e aumento matemático, metodologias de aprendizagem ativa em que o aluno assume o papel de pesquisador e inventor, em vez de apenas ser o destinatário das informações que então possuem para simplesmente reproduzir.

Os resultados na escola foram impressionantes com o absentismo dos alunos reduzido de 25% para 0,8% em 2014/15; 85% dos alunos aprovados em exames nacionais padronizados (vestibular e ENEM) em 2019/20; e ao longo dos anos, mais de 50 alunos alcançando altos resultados nas Olimpíadas Nacionais de Matemática (como a OBMEP), e também em torneios de robótica.

Além de investir seu tempo livre e férias para contribuir com a formação intelectual e social de seus alunos, também tem viajado pelo Brasil ministrando palestras e cursos (principalmente a convite de organizações, empresas, universidades, redes de televisão, ONGs e revistas ) sobre a forma como ensina matemática a milhares no Brasil, publica artigos científicos em revistas de prestígio, participa de eventos nacionais e internacionais como a representação do Brasil no South by Southwest (SXSW) em Austin, Texas, além de ter escrito livros, materiais paradidáticos e materiais pedagógico-tecnológicos.

Greiton é o resultado de uma escola pública e de universidades públicas. É graduado, especializado, mestre e doutorando em prestigiadas universidades públicas (UFG, Unesp). Seu maior sonho é oferecer educação de qualidade a todos os alunos brasileiros.

 

Por Wilker Barbosa

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar