Luto

Morre o Padre Jesus Flores de Covid-19

goiasnews.gyn~p~CTtMADhM7VD~1

Ele era sacerdote há 62 anos e também atuava como jornalista em rádio e TV. Outros quatro padres do Santuário Basílica também estão com coronavírus e estão em recuperação.

O padre Jesus Flores, de 88 anos, morreu de Covid-19 na noite de sábado (11), em Goiânia. Ele estava internado na UTI de um hospital em estado gravíssimo. O sacerdote já tinha tomado a vacina contra a doença, mas tinha problemas cardíacos. Ele era sacerdote há 62 anos e também atuava como jornalista.

Além do missionário redentorista, outros quatro padres que convivem na casa paroquial do Santuário Basílica de Trindade também estão com coronavírus. Eles ainda estão em recuperação, a maioria com sintomas leves.

Em um comunicado nas redes sociais, a Associação Filhos do Pai Eterno e o Santuário Basílica lamentaram o falecimento e disseram que Jesus Flores “se tornou uma figura de destaque na evangelização e na divulgação da devoção ao Divino Pai Eterno”.

Nascido em 11 de março de 1933, Jesus Flores se tornou padre em janeiro de 1959. Na comunicação, trabalhou na Rádio Difusora e na TV Pai Eterno.

O prefeito de Trindade, Marden Júnior, decretou luto oficial de três dias na cidade, conhecida como Capital da Fé.

O governador Ronaldo Caiado divulgou uma mensagem de pesar pela morte do sacerdote. “Padre Jesus Flores se constituiu, ao longo de décadas, como referência nas análises das conjunturas políticas em nível local e nacional, sendo muito respeitado por suas opiniões sempre imparciais, lúcidas, equilibradas e com grande conhecimento dos temas avaliados”, disse.

Em sua homenagem, Caiado destacou ainda que o sacerdote “sintetiza a biografia dos grandes homens que fizeram a diferença, ao propagar conceitos que foram fundamentais na luta por uma sociedade democrática, consubstanciada nos conceitos da paz, harmonia e bem-comum”.

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar