ANUNCIEAQUI01
FB_IMG_1630500605790
Colunas Júlio Paschoal

O SALÁRIO MÍNIMO PEDE SOCORRO

ANUNCIEAQUI01

No Brasil demandas inusitadas, como: voto impresso auditável e impeachment de ministros do STF e de outros Tribunais, o Presidente da República e seus mais vorazes apoiadores, teimam em não retirá-las, da ordem do dia mesmo após ser pacificadas nos órgãos competentes.

Com pautas tão inoportunas, trabalhadores que ganham o salário mínimo ou tem seus salários reajustados a partir dele, pedem socorro.
A equipe econômica sensível com esta situação, acena com um aumento de 6,5%, para o ano que vem.
O que faz os técnicos do governo é mínimo uma brincadeira de mau gosto.
O cidadão perde renda em 2021, com a volta da inflação puxada pelos aumentos consecutivos dos derivados do petróleo e pela excessiva flutuação das taxas de câmbio coordenada pela própria equipe econômica e o governo federal, acena com um mísero aumento para 2022.
Pasmem meus amigos apesar de tudo, no 7 de setembro, cidadãos por um lado, trabalhadores e consumidores, por outro irão para as ruas de todo país baterem palmas para o Presidente da República e sua pauta de reivindicações, que a cada dia mais descoladas da necessidade e da realidade da população.
Pergunto: Da para entender? Nunca os combustíveis no país, estiveram acima de R$4,00. Atualmente Ja batem a casa dos R$7,00 em três Estados. Nos demais estão acima de R$6,00. O gás de cozinha está em R$100,00.
Dizem a culpa não é do governo atual e sim dos anteriores.
O IPCA índice oficial de inflação desse ano, já está em 5,31%, isso só nos primeiros oito meses, a continuar como está, deve fechar em 2021, acima de 8,0% e a equipe econômica, liderada pelo Ministro Paulo Guedes, acena com uma reposição de perdas de 6,5% para 2022, não se pode considerá-la como séria e merecedora de aplausos.
O que mais precisa acontecer para o gigante sair do berço esplêndido? Uma guerra civil? Pelo andar da carruagem parece que caminha-se para isso, principalmente se as pautas não vierem a serem atendidas.

Júlio Paschoal
Economista e Professor da UEG-GO

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar