Policial

Polícia acha ossada em área onde homem teria deixado corpos dos 3 meninos de Belford Roxo

c74bc93e-29cc2-960x640
Ossos encontrados podem ser de meninos desaparecidos em Belford Roxo (Foto: reprodução/Redes Sociais)

O suspeito de ocultar os corpos foi localizado e levado à delegacia junto com o homem que prestou as informações.

Após sete meses sem solução para o sumiço de três meninos, a polícia encontrou nesta sexta-feira (30) fragmentos de ossos próximo a um rio em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, que podem ser das crianças. As buscas, feitas por policiais civis da Delegacia de Homicídios da Baixada e pelo Corpo de Bombeiros, foram iniciadas após o surgimento de uma nova pista do caso.

Na última quarta-feira (28), um homem se apresentou à Polícia Militar e acusou o irmão de ter participado da ocultação dos corpos de Lucas Matheus, 9, Alexandre Silva, 11, e Fernando Henrique, 12. Eles saíram em 27 de dezembro do ano passado para brincar no campo de futebol próximo de casa e não voltaram mais.

O suspeito de ocultar os corpos foi localizado e levado à delegacia junto com o homem que prestou as informações, para serem ouvidos. Os dois irmãos possuem passagem na polícia por tráfico de drogas. A polícia não informou se eles foram presos.

O homem também declarou que José Carlos dos Prazeres Silva, traficante conhecido como “Piranha”, teria mandado espancar e matar as crianças. E a causa seria o roubo de uma gaiola de passarinhos, segundo as investigações.

Depois, o irmão dele teria levado os corpos até um lugar chamado de Ponto do Ferro 38, por onde passa um rio que corta a cidade da Baixada. Foi esta a área vasculhada pela polícia nos últimos dois dias.

Além de suspeito de mandante dos assassinatos, José Carlos também foi denunciado e é procurado pela polícia por ter ordenado a tortura de um homem inocente, que foi apontado erroneamente como autor do crime.

download

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar