Economia Ipameri

Ipameri celeiro de fartura

IMG-20201201-WA0000

Ipameri é um Município brasileiro de Goiás, localizado entre os rios Corumbá e São Marcos. Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2018, era de 26 792 habitantes.

Ypameri”, depois “Ipameri” é um termo oriundo da língua tupi. É a junção de “Y” (rio) + “pan meri” (vão, espaço, entre), sendo a tradução da expressão “entre rios”, primeiro nome da cidade, quando de sua fundação oficial em 1870. O município passou a se chamar “Ypameri” em 1904.

Surgimento do povoado

Antes da chegada dos europeus ao continente americano, a porção central do Brasil era ocupada por indígenas do tronco linguístico macro-jê, como os acroás, os xacriabás, os xavantes, os caiapós, os javaés etc.

Em 1816 surgiu o “Arraial do Vai-Vem”, depois “Povoado do Vai-Vem” à margem esquerda do Ribeirão “Vai-Vem”. Em 1833, o povoado foi elevado à categoria de Vila, pertencente ao “Arraial de Catalão”, sendo elevada à categoria de cidade em 1870, recebendo o nome de “Entre Rios”. Em 1926, o nome foi alterado para “Ypameri”, que é uma tradução modificada da expressão “entre rios” em tupi (“Y”: rio; “pan” “meri”: vão, espaço, entre). Posteriormente, o “Y” deixou de integrar o alfabeto português brasileiro e foi substituído por “I”.

História recente

Ipameri foi a primeira cidade do estado de Goiás a contar com energia elétrica gerada no próprio município e uma das primeiras da Região Centro-Oeste do Brasil a contar com esse tipo de energia, antes mesmo da capital do estado. A Usina Hidroelétrica do Rio do Braço hoje desativada, recebeu máquinas importadas, especialmente da Alemanha e tornou-se, juntamente com o rio que a impulsiona, uma atração para o município.

Ipameri entrou em um período próspero nessa época, tornando-se uma das regiões mais ricas do estado. Foi quando, além de receber água encanada e energia elétrica, produzida na própria cidade a partir da Usina do Rio do Braço, foi fundado lá um dos primeiros jornais do estado, o primeiro sindicato rural, a primeira emissora de rádio (Rádio Xavantes) e o primeiro jóquei clube (Hipódromo Firmo Ribeiro), onde aconteciam competições de hipismo de nível nacional. O cinema, que também poucas cidades goianas possuíam, foi inaugurado com o nome de Cine Estrela.

Dada a situação econômica privilegiada da cidade, foi aqui instalada a primeira agência do Banco do Brasil do estado de Goiás.

Economia

As principais atividades econômicas do município são a agricultura e pecuária. Possui também um comércio variado, tem uma unidade da Caramuru Alimentos, um centro de distribuição da Gazin e uma empresa de reciclagem de óleos vegetais (Renovar Óleos vegetais), o Grupo Tucano (reciclagem e comércio de combustíveis) entre outros empreendimentos.

O município é um dos maiores em produção  de cereais na região Sudeste de Goiás  As culturas mais importantes são a soja, o milho e o o algodão, mas também há cultivo de arroz, batata, tomate, café, mandioca, e alho.

As principais empresas são: LASA Lago Azul S/A que produz álcool etílico, açúcar e energia elétrica; Caramuru, que produz  óleos vegetais e  derivados do milho, Renovar Óleos vegetais e Gazin centro de distribuição.

No setor de alimentos e supermercados o Blog Do Alan Ribeiro realizou uma pesquisa e o resultado foi que a população anseia pela abertura de um mercado que possa concorrer com os da cidade provocando desta forma a redução de preços, que já ocorre nas cidades vizinhas, o que viria a colaborar no orçamento das famílias.IMG-20201126-WA0093

Infraestrutura

O município possuí uma infraestrutura econômica relativamente boa. As rodovias que dão acesso são pavimentadas. Existe a Estação Ferroviária, que serve a cidade desde a década de 1920, hoje realizando apenas o transporte de cargas. Conectando o município  à Anápolis, Goiânia, São Paulo e Minas Gerais, a rede de distribuição de energia elétrica cobre todo o perímetro urbano e parte considerável da área rural. Saneamento básico e distrito industrial.

Ipameri conta com Terminal Rodoviário e o aeródromo Municipal distante 3 km do centro da cidade. Apesar de não existir transporte coletivo, o município é bem servido pelo transporte rodoviário intermunicipal e interestadual que o liga aos principais centros urbanos do país.

Para o turismo o município proporciona vários hotéis e restaurantes e o Jóquei clube passa por revitalização, destacamos entre outros o Lago Corumbá localizado a 35 km do centro da cidade e o rio do Braço, que são atrações à parte. Existe saneamento básico disponibilizando água tratada a 95,8% das residências. Não possui  sistema de esgoto e o que existe é  feito pela própria população e atende cerca de 40% da população.

O polo educacional da cidade é representado por um Campos do IF Goiano e outro da UEG, este destaque nacional devido a qualidade dos cursos oferecidos.

Atrativos

O município é berço de vários artistas e conta com um artesanato significante, tendo disponível a Casa do Artesão onde os pequenos e médios artesãos vendem seus produtos.

A festa Agro-Pecuária, já com mais de meio século de existência trás movimento expressivo para a cidade, voltado para o agronegócio – a maior fonte econômica do município.

O Mocajee Cross, corrida de motos, jeeps e carroças também tem atraído os amantes da modalidade esportiva para o Povoado da Vendinha, antigo Sucuri, cujas terras foram doadas pela família Souza Pereira, onde as áreas de acampamento a 23 km do centro da cidade recebem um número bastante elevado de visitantes vindos de várias localidades do estado, e até mesmo de fora. Contando com um público das mais diferentes regiões do país, como: interior de Goiás, Brasília, Goiânia, Triângulo Mineiro, São Paulo, Mato Grosso e região Sul. O evento que acontece desde 2004 conta com uma programação bastante variada. Constituída principalmente pelas de motocross, jeepcross e cross country com bike(mountain bike).

 Produção da agricultura em 2018:

IMG-20200824-WA0149

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar