Artigo

O PROCESSO ELEITORAL E O SEU “EU” CAMALEÃO

Screenshot_2020-06-24-08-37-08-568_com.miui_.videoplayer

Sempre foi assim, nunca foi diferente, os “especialistas” é que não aprendem.

Desde que se tem notícias os processos eleitorais são passíveis e sofrem mudanças durante o desenrolar das campanhas, vários fatores contribuem para a mudança de humor do eleitor: Primeiro que o eleitor só abre efetivamente os ouvidos para falar de política quando as campanhas começam; segundo, e importante, fator é o assentar das forças políticas, para onde vão e com quem ficam as chamadas lideranças políticas. Assim vão acontecendo as mudanças de humor do eleitor e a mudança da expectativa de vitória, em Ipameri, na campanha para as eleições municipais de 2020, entrou em campo um outro fator, semelhante ao visto com Marconi para Alcides em 2006, com Lula para Dilma em 2010, o fator aprovação altíssima do mandatário, no caso mandatária, atual. Daniela tem – conforme imagem anexa – 83,9% de aprovação popular.

Tanto em 2006 quanto em 2010 a transferência de votos foi avassaladora e só aconteceu efetivamente nas duas semanas que antecederam o pleito.

Analisando os fatos narrados e a forma como acontece a campanha em Ipameri, podemos afirmar com todas as letras que Janinho e Iraneide são os favoritos para vencerem o pleito de 15 de novembro, cresceram muito e vão crescer muito ainda, não há como evitar.

Assim como o candidato cabeça de chapa da coligação Ipameri no Rumo Certo, sua campanha é humilde e modesta, mas tem ganhado força excepcional após a prefeita Daniela passar a participar efetivamente dos atos políticos da coligação, força que pôde ser comprovada com a monstruosa carreata acontecida na sexta-feira, 16 de outubro.

Com tudo somando a seu favor e com a expectativa de vitória sendo massivamente transferida para a sua candidatura, Janinho cresce e caminha a passos largos e seguros para ser o próximo prefeito de Ipameri.IMG-20201015-WA0164

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar