Religião

Baleada pelo ex, jovem “ressuscita” após morte cerebral ser constatada

IMG-20200212-WA0002

Os aparelhos que mantinham Karina viva estavam prestes a serem desligados. Foi quando seu pai fez uma oração.

Eram por volta das 11h30 do sábado, 1º de fevereiro, quando Baltazar Augusto de Menezes, 58 anos, ligou para o amigo Elias Pereira de Melo, 46. Ele informava que iria até a casa dele, pois precisava falar com a ex-namorada. Karina Souto Rocha, 29 anos, já estava por lá.

Elias era amigo do casal de longa data e sabia da separação, que já durava um mês. Mas aceitou a visita do amigo sem saber que sua casa, no Bairro Santa Mônica, em Nova Xavantina (650 km de Cuiabá), seria o palco de uma tragédia.

O encontro levou a uma briga do casal e ao menos cinco tiros foram disparados: três em Karina, um no chão e um de Baltazar em si mesmo.

Mas o que seria mais um caso de feminicídio – dentro dos índices já alarmantes de Mato Grosso – se transformou em uma história de recomeço.

De uma forma inexplicável, após ter a morte cerebral declarada, Karina reagiu exatamente no momento em que os aparelhos que a mantinham viva seriam desligadas.

Karina foi atingida no rosto, no abdômen e embaixo do braço (Foto: Arquivo Pessoal)

A discussão

Elias estava fechando sua loja, quando recebeu a ligação de Baltazar. Karina já estava na casa do amigo, que fica próxima a uma praia de água doce da cidade.

Na praia há um restaurante, e quando Baltazar chegou Elias pediu que o dono do estabelecimento, que estava próximo à sua casa, servisse uma cerveja. O amigo bebeu duas garrafas pequenas.

“E ele [Baltazar] estava insistindo para ela [Karina] voltar com ele. E ela falou que não, que já tinha quatro anos que estava com ele e ele nunca quis assumi-la. Então, agora ela queria mudar de vida, queria outras opções”, contou Elias ao LIVRE.

Segundo o amigo e o pai de Karina, o pedreiro José Rocha Cardoso, 56 anos, apesar de o relacionamento ter durado mais de quatro anos, Baltazar nunca quis assumir Karina como esposa.

Ela, inclusive, já estava com outra pessoa, fato que o ex não aceitava.

A discussão entre eles, durante o encontro, ainda agravou com pedidos mútuos de devoluções de presentes que eles haviam se dado quando ainda estavam juntos.

“Ela estava com uma corrente de ouro no pescoço, que ele tinha dado para ela. Ele falou: ‘então, me devolve minha corrente’”, lembrou Elias, dizendo que, em resposta, a jovem pediu uma pulseira que ele usava.

Mas a conversa não tinha tom amigável. Terminou com Baltazar arrebentando o presente que havia ganhado em um de seus aniversários e ambos devolvendo os presentes.

Os disparos

A caminhonete de Baltazar estava encostada do lado de fora da casa e, em determinado momento da discussão, ele foi em direção ao carro.

“Eu achei que a intenção era guardar a corrente, mas ele já pegou a arma. Estava a mais ou menos um metro dela, apontou para a cabeça e puxou o dedo. Deu três disparos”, contou Elias, que assistiu toda a cena.

A mãe dos filhos de Elias, Cleudileni Ferreira dos Santos, 29 anos, que também estava na casa, reagiu imediatamente. Pulou em Baltazar para impedi-lo de continuar a atirar em Karina.

Foi quando um dos tiros, então, atingiu o chão.

Ele não desistiu. Se desvencilhou de Cleudileni, colocou a arma em seu próprio ouvido e atirou. Baltazar morreu na hora.

Karina estava sentada e até conseguiu se levantar e andar um pouco antes de cair na porta da cozinha. Ela foi socorrida com vida.

“Nós vimos toda a cena. Foi coisa de cinco, seis segundos”, contou Elias.

Dois meses antes, também após uma discussão, Karina havia chamado a polícia. Entregou uma arma de Baltazar. Ninguém sabia, no entanto, que ele havia comprado outra.

“Se eu soubesse que ele tinha um revólver, eu não ia dar espaço para ele. Eu ia ficar colado nele para não deixar ele fazer besteira. A gente não quer o mal de ninguém. Ainda mais eles, que eu gosto tanto”, lamentou Elias

Elias conhecia Baltazar desde o primeiro casamento, que também era conturbado.

Baltazar e Karina viveram um relacionamento conturbado por mais de quatro anos (Foto: Arquivo Pessoal)

“Sua filha foi baleada”

Perto do horário de almoço, o pai de Karina, conhecido em Nova Xavantina como seu Zé, estava sentado em um banco de madeira na porta de sua casa, no Bairro Henry, quando viu um amigo e a mãe acenarem e notou a expressão de choro nos dois rostos.

A mulher gritava que algo não deveria ser dito a ele, enquanto o homem insistia: “ele tem que saber”.

“Eu já sabia que tinha a ver com a minha filha. Esse homem vivia ameaçando ela. Não para a gente, mas para os outros. Para a gente ele nunca falou nada, falava que nunca faria isso. Mas eu já imaginei logo ali”, contou.

Ao ser informado, seu Zé perguntou se a filha havia morrido. Quando lhe disseram que não, sua reação foi: “Não morre mais! Não morreu na hora, não morre mais!”.

“E já coloquei aquilo no meu coração, porque a minha fé já se apoderou dessas palavras. É gravíssimo o caso dela, mas desde o começo eu acreditei”.

O pai de Karina acredita que as orações da família e até de desconhecidos tem sido essenciais para a melhora de Karina (Foto: Arquivo Pessoal)

Milagre

Apesar da fé da família, o tiro no rosto de Karina lhe causou uma lesão muito grave e a morte cerebral foi constatada pela equipe médica do Hospital Municipal de Barra do Garças (520 km de Cuiabá).

A família foi informada e, com tristeza, autorizou o desligamento dos equipamentos que mantinham viva a jovem, mãe de dois meninos – um de sete e outros de 10 anos.

Nessa segunda-feira (3), porém, por volta das 14 horas, quando a ordem de desligamento seria cumprida, uma enfermeira entrou no quarto e viu Karina mexer a mão. Assustada, ela chamou a moça pelo nome e Karina balançou a cabeça.

A enfermeira saiu correndo e gritando que Karina havia reagido. Chegaram a duvidar dela, mas novos exames mostraram que a jovem retornou do estado de morte cerebral.

“Eu estava lá fora. Tinha falado: ‘Deus, entra lá e reage a minha filha, em nome do nosso senhor Jesus Cristo’”, contou o pai, lembrando que a oração foi feita cerca de 10 minutos antes da notícia. 

A recuperação

Karina foi levada de volta para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde segue internada. Ela não fala, mas já abriu os olhos e reage às pessoas ao seu redor.

O quadro clínico, segundo o pai, ainda é grave, mas a pressão está controlada e ele acredita na recuperação da filha.

“O que Deus fez, ele não voltar atrás para desmanchar. Ela estava já sem vida, o médico falou que ela ressuscitou”, ele lembra, contando que a situação levou até o médico e as enfermeiras às lágrimas.

“‘Realmente, Deus fez um milagre, porque não fui eu, não foi a Medicina. Eu e a Medicina não temos o que fazer para retornar uma pessoa, quando morre cerebralmente. Mas Deus fez o milagre’”, disse o médico, segundo palavras do pai de Karina.

Fontes O Livre / Portal Metrópole

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar