Opinião

Cai a confiança em notícias, mas mídia tradicional resiste

Jornais impressos expostos na banca da rodoviária. 23-01-209. Foto: Sérgio Lima/PODER 360
Jornais impressos expostos na banca da rodoviária. 23-01-209. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

Dados de relatório do Reuters Institute. É cedo para decretar fim da ‘velha mídia’. Jornalismo se vinculou a redes sociais.

O cenário para quem quer fazer sua mensagem chegar aos milhões de brasileiros é cada vez mais complexo e fragmentado. Após um turbulento ano eleitoral, um raio-x de como o brasileiro está se informando em 2019 mostra queda abrupta da confiança nas notícias em geral e um aumento do uso de plataformas sociais para se informar.

Os números estão no último Digital News Report, do Reuters Institute, publicado nesta terça-feira. O estudo (íntegra) é leitura obrigatória para quem trabalha com mídia, jornalismo e comunicação. Ao todo, foram entrevistadas 75 mil pessoas em 38 países. No Brasil, foram 2013 entrevistas.

Se o noticiário obtido pela internet –online e redes sociais somados – mantém seu domínio, sendo fonte de notícias para 87% dos brasileiros, a TV mantém grande relevância – 73% disseram se informar por esse meio.

Esse dado, somado à força de marcas ligadas a grandes conglomerados de mídia (exemplo: a GloboNews havia sido vista por 60% dos entrevistados ao menos uma vez na semana anterior, contra 19% do Antagonista), aponta que é cedo demais para decretar o fim da mídia “tradicional” ou, dito de outra forma, dos veículos que exercem o jornalismo profissional.

Ainda assim, é um desafio enorme fazer comunicação no Brasil de 2019. Com a erosão da confiança no noticiário e o avanço das novas mídias sobre o espaço de influência do cidadão, é preciso conectar os mais variados pontos para chegar a um diagnóstico assertivo.

Aponto a seguir alguns dos destaques do relatório:

  • O brasileiro é quem mais usa o WhatsApp para obter notícias em todo o mundo; mais da metade (53%) disseram usar o aplicativo de mensagens para se informar, um aumento de 5 pontos em relação a 2018. O WhatsApp agora empata tecnicamente com o Facebook (54%). Na média mundial, apenas 16% dizem usar o app para ver notícias.Captura-de-Tela-2019-06-12-às-07.53.19-1024x743
  • Quem não sai do “zap”, não sai do celular. Os aparelhos móveis dispararam como dispositivo preferencial para obter notícias –77% contra 55% do computador. Há 5 anos, apenas 23% usavam seu celular para se informar.Captura-de-Tela-2019-06-12-às-07.54.39-1024x759
  • A rede social que mais cresceu no Brasil em uso para notícias foi o Instagram: saltou de 16% em 2018 para 26% em 2019.

  • A confiança nas notícias em geral caiu 11 pontos, de 59% para 48%. Ainda assim, o Brasil tem índice acima da média mundial, que é de 42%.
  • Já a confiança nas notícias que o brasileiro vê nas redes sociais se manteve estável, oscilando de 32% para 31% (também acima do mundo, 23%). Esse indicador sobre para 37% entre os que dizem fazer parte de algum grupo de WhatsApp ou Facebook sobre notícias e política.
  • O brasileiro também é o cidadão mais preocupado em discernir o que é real e o que é falso nas notícias que vê internet; 85% relataram essa preocupação.
  • Os brasileiros são, de longe, os que mais relataram ter decidido evitar o compartilhamento de notícias não confiáveis (61%) nas redes sociais. Um dado auspicioso ou sintoma da quantidade de desinformação circulando?
  • Apesar de tudo, 56% dos brasileiros concordam que a mídia monitora e escrutina os poderosos. E o índice também é o mais alto entre os 38 países.
  • No mundo “off-line” (classificação cada vez mais imperfeita), formado por TV, rádio e impressos, a GloboNews segue como marca mais lembrada, embora em queda em relação a 2018. Chama a atenção a ascensão forte das marcas RecordNews e Jornal do SBT (a lista é estimulada).
  • No mundo “online”, o UOL ultrapassou o G1 na liderança de marcas mais acessadas.
  • Vale dizer que o estudo só inclui entrevistados que dizem ver notícias pelo menos uma vez por semana.

O instituto divulgou ainda uma apresentação do estudo com muitos dados úteis.

Juliano Nóbrega

Juliano Nóbrega, 41 anos, é diretor de Operações na CDN Comunicação. Jornalista, foi repórter e editor no jornal Agora SP, do Grupo Folha, fundador e editor do portal Última Instância e coordenador de imprensa no Governo do Estado de São Paulo. Está na CDN desde 2015. Publica, desde junho de 2018, uma newsletter semanal em que comenta conteúdos sobre mídia, tecnologia e negócios, com pitadas de música e gastronomia.

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar