Alexandre Garcia

Alexandre Garcia: “O Brasil continua conservador. O PSol não afeta essa percepção”

1_cbpfot061020140013-6404329

”A narrativa da polarização e radicalismo não resiste à demonstração das urnas. O país continua conservador. O extrema-esquerda PSol, no páreo em São Paulo e Belém, não afeta essa percepção”

crédito: Carlos Moura/CB/D.A Press

Atrasou um pouquinho, mas, no dia seguinte, já tínhamos os resultados da nossa eleição. Alguns se impacientaram, ficaram desconfiados, porém, em apuração, ganhamos dos americanos, que, duas semanas depois, ainda não têm resultado definitivo. Aqui, no entanto, também tivemos uma denúncia gravíssima, feita por um presidente, o do TSE. O supercomputador do TSE foi atacado, e ele suspeita de uma conspiração contra o nosso voto, com vistas a uma ditadura. Seríssimo. E, mesmo com o fique em casa, apenas 23% de abstenções — um pouco acima dos 17,58% da última eleição municipal. Foi uma demonstração de civismo por parte do eleitor, a quem as autoridades ainda devem explicações sobre a segurança do processo e esse possível atentado.

Na cidade da fundação do PT, São Paulo, e no berço do lulismo, São Bernardo do Campo, a eleição confirmou a queda do partido como representante da esquerda. Em São Paulo, PSol no segundo turno mostra que partidos de extrema-esquerda e ideológicos estão substituindo a esquerda fisiológica em que se transformou o PT, como demonstrou a Lava-Jato. Na anterior eleição municipal, o PT só ganhou uma prefeitura de capital, Rio Branco. Naquela eleição, foi reduzido a 254 prefeituras; agora baixou para 189. Hoje, depende do segundo turno em Vitória e no Recife. E o PP acabou levando a maior parte das prefeituras do Nordeste, grande reduto petista.

Resistentes, o MDB continua com o maior número de prefeituras e o DEM teve excelente desempenho em Salvador, Curitiba, Florianópolis e no Rio de Janeiro. Bons prefeitos foram reeleitos. O de Porto Feliz, Dr.Cassio Prado, com 92% dos votos, provou que o tratamento precoce contra a covid também dá resultado nas urnas. O presidente Bolsonaro, prevendo alianças futuras com partidos em disputa na campanha, como o PP e o PSD, evitou se envolver, mas seu candidato Crivella, no Rio, vai ter de enfrentar o favoritismo de Eduardo Paes. E, em São Paulo, seu preferido Russomano, de bom desempenho em obras sociais, foi apático na campanha e se diluiu.

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar