Artigo

O desmonte do combate à corrupção

Untitled-1-17

 

Por Deltan Dallagnol

Martin Luther King Jr., pastor e ativista norte-americano, lembrava sempre em seus discursos que “as classes privilegiadas nunca desistem dos seus privilégios sem forte resistência”. Privilégios que naquele distante ano de 1955, em Montgomery, no estado norte-americano do Alabama, levaram à prisão Rosa Parks, uma mulher negra de meia-idade, costureira, por se recusar a dar assento a um passageiro branco em um ônibus. Essa prisão foi o estopim de um movimento não violento contra a discriminação e a segregação racial nos Estados Unidos, liderado pelo jovem pastor Martin Luther King Jr., de Montgomery, então com apenas 26 anos. A mobilização pelos direitos civis se fez ouvir por meio de boicotes, marchas, ingresso e permanência pacífica em áreas reservadas a brancos, protestos e discursos. Antes de alcançar suas grandes conquistas, contudo, esse movimento amargou derrotas e dores. Em diversas cidades, enfrentou forte reação contra a população negra por meio de ameaças, violência, prisões, bombas e assassinatos.

Desde 2014, instituições e cidadãos vêm empreendendo o maior esforço da história brasileira contra a corrupção. No entanto, recentemente, o combate à corrupção vem sendo desmontado por uma série de decisões judiciais e novas leis. No processo civilizatório, há frequente tensão entre forças do avanço e do retrocesso, pois, repita-se, “as classes privilegiadas nunca desistem dos seus privilégios sem forte resistência”.

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar