Goiás

Recorde em Goiás: seis meses sem uma denúncia de corrupção

images (13)

Vai para o livro dos recordes: governo chega aos seis meses sem denúncias e escândalos como Monte Carlo, Odebrecht, Petrolão, Lava Jato, etc

Recordar é viver: nos últimos anos, Goiás tornou-se paraíso do crime organizado. Todo tipo de criminoso veio para Goiás. Mas um específico estava dentro dos governos: o corrupto.

O Estado acumula processos deste e de outras modalidades de crimes.  Inclusive ex-governadores foram denunciados.

Mas bastou mudar o governo para reduzir o Índice do Corruptômetro do Estado de Goiás. Ele foi a zero nos últimos meses, fato inédito já que a cada semana, praticamente, existia alguma denúncia de irregularidade, crime, atos ilícitos de administração.

Caiado ganhou a eleição com a fama de ser “ficha limpa”. Ele e o ex-senador Wilder Morais se apresentavam como limpos no aplicativo que rejeitava Marconi Perillo, Zé Eliton e outros.

O atual governador – com seu jeitão –  diz que não vai tolerar “carrapatos” em sua administração. Isso significa jogo duro contra a corrupção, a prevaricação, tráfico de influência e outras bandidagens.

Então o que Caiado fez em seis meses para barrar a onda de corrupção?

Revisou centenas de contratos, investigou práticas, reorganizou o Estado. E aumentou o número de vigilantes dentro  das secretarias, através de cursos de bons comportamentos e formação de servidores ciosos dos princípios constitucionais da administração,

O mais importante: Caiado concentrou ações na Controladoria Geral do Estado (CGE), que antes era peça decorativa do governo anterior. Na verdade, a antiga CGE era proibida de controlar e investigar. A atual é o farol do governo.

Se antes da eleição o compromisso de Caiado era ser mais transparente e eficiente possível, eis o que ele colocou em prática:  através da CGE  instituiu o “Compliance”, que Daniel Vilela (MDB), por desconhecimento, chegou a fazer piada nos debates.

O Compliance funciona mesmo:  o programa visa calibrar a gestão pública e impedir que o Estado tenha perdas plenamente evitáveis, seja através da corrupção seja por meio do desperdício e da falta de aplicação do princípio da economicidade. As regras de conduta e de planejamento fazem a lei ser aplicada a cada caso concreto. E às claras.

E para limpar o estado, Caiado reduziu cargos comissionados e de uma só vez anunciou a economia de R$ 422 milgões com a reforma administrativa.
Neste governo, ocorreram prisões e ações da Polícia Federal, como o caso da Educação e Ipasgo, mas todas envolvendo  a turminha do passado – inclusive o ex-governador Zé Eliton teve que ir na PF prestar depoimento.

O que foi feito
• Foram inspecionados contratos no valor de R$ 545,6 milhões anuais (2019), nos quais recomendou-se a revisão, suspensão ou bloqueio de pagamentos no valor aproximado de R$ 87 milhões em função de irregularidades detectadas.
• Foi através das ações da CGE que o Detran, por exemplo, optou pela redução do valor da vistoria veicular de R$ 175,76 para R$ 108,00.
•Implantação da gestão de riscos em 21 órgãos do Governo de Goiás.
•Implantação do Programa de Compliance Público em todos os órgãos e entidades estaduais que não participaram da 1ª fase.
• Instituição do Ranking em Compliance Público.

Fonte Poder 360° / Diário da Manhã

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Adicionar comentário

Clique para comentar